A espera do bebê

Esperar é uma coisa estranha. Começa no dia que sua mulher lhe conta: “fiz o teste, estou grávida”. É algo para o qual ninguém te preparou, nem o casamento, nem as noites que você perdeu de sono por qualquer outro motivo.

Nessa noite, ninguém dorme. Portanto, aqui vai uma dica: se você é mulher, conte para o seu marido de manhã, assim ele tem mais tempo para ficar ansioso durante o dia e não perde a noite de sono. Claro que se ele for como eu sou, de nada adianta essa dica.

Essa noite será muito longa, você pensará sobre quando ele(a) estiver com quatro anos, se vai andar de triciclo, se vai correr pela casa. Quando ele estiver com dois, vai saber falar já? Qual será sua primeira palavra? Será que vai querer fazer economia na faculdade? Ou agronomia? Será que vai gostar de dançar? E de máquinas, carros, esportes, desenhos japoneses, animais de estimação, videogames, futebol…

Você entendeu, essa noite o passado, presente e futuro vão se misturar em sua cabeça e nada fará sentido em sua mente atordoada. Mas é uma sensação muito boa.

Após o caos inicial é o momento da preparação. Eu e minha esposa já tinhamos bastante noção do que fazer com o quarto do bebê, pelo menos sobre a disposição dos móveis, que foi um dos primeiros passos.

A lista de coisas a fazer é grande, começa com a pintura do quarto e adquirir os móveis. É bom fazer isso cedo, sua esposa não terá tanto pique no final da gravidez, fizemos no segundo mês. Meu pai nos pintou o quarto, aplicamos uma faixa de papel de parede e compramos os móveis.

Passo um: concluído.

O chá de bebê é um outro problema a parte. Onde será? O que comprar? O que servir? Como decorar, quem convidar, fazer os convites, entregar os convites… mais um montão de trabalho.

Daí você terá um quarto cheio de coisas de bebê: fraldas, pomadas de assaduras, toda sorte de mamadeiras e chupetas. Sem contar os quilos de lenço umidecidos.

Passo dois: terminado!

As coisas vão andando e a ansiedade aumenta exponencialmente. Você não vê a hora de ver seu filho, e estamos apenas no quinto mês!

Não há muito mais a se fazer, a não ser escolher a melhor maternidade possível, garantir que tudo que você vai precisar para o dia esteja em ordem, a casa esteja limpa e haja o que comer depois da volta com o novo membro da família.

Um belo dia o obstetra marca o parto e pede que venham para uma última checagem no dia anterior, daí você fica calmo: finalmente, eu sei o dia que ele vai nascer! Até que… ele liga na segunda, avisando que precisa que venham na terça, pois o parto vai adiantar um dia, será na quarta.

Toda a ansiedade volta. Ele vai nascer. Vai nascer! E logo. Ai meu deus, e a comida? Eu não comprei, não limpei a casa, não preparei nada…

Mas, na boa, isso nem importa tanto. Seu filho vai nascer. Finalmente!

Na noite anterior ao nascimento tive um flashback do dia que fiquei sabendo que seria pai. Faculdade, quatro anos, dois anos, esportes, etc.

E então, o dia chega. As horas passam e você faz tudo do jeito que deveria fazer, chega com a antecedencia necessária na maternidade, se prepara e… espera novamente.

Algumas horas depois me chamaram na sala de parto. Agora é a hora, o que vai acontecer eu não sei, mas vai ser incrível.

Ele nasce, enorme, e dizem que é a sua cara. Você nem se importa. De verdade a única coisa que vale é que agora você é pai e a vida faz bem mais sentido. Nunca foi tão legal quanto agora, afinal agora só resta mais um passo para terminar seu ciclo de vida.

Mas será um longo e incrível passo.

 

Ps.: não estamos à espera novamente, apenas escrevi esse texto há tempo e não publiquei-o.

Advertisements

Essas tais de ciclovias…

Amigo, se você está lendo esse post provavelmente é um dos meus conhecidos. Afinal, esse blog não é nem um pouco famoso.

Isso não importa, vamos ao que interessa

Essas ciclovias e ciclofaixas e ciclococôs* por aí

Muito já se disse sobre as ciclovias do “prefeito-pintor” Fernando Haddad, mas eu ainda não disse nada nesse blog, por isso aqui vai a minha opinião.

Por que alguém pedalaria em São Paulo?

Existem diversos artigos de cicloativistas falando das vantagens, dos pormenores e por aí vai. Bem, como aqui é a minha opinião vou dizer por que pretendo pedalar (num futuro que tenha uma bike, coragem e melhor ambiente no trânsito): necessidade.

  1. Eu não preciso de mais um carro, nem de uma moto. Minha cidade não precisa que eu ande com um guarda-chuva de 2 toneladas cuspindo CO2. Espero que meu filho possa morar nessa cidade quando crescer. Para isso eu PRECISO fazer a minha parte, me locomovendo para o trabalho  de transporte público, fazendo home office ou, como é o objetivo declarado nesse post, ir trabalhar pedalando;
  2. Adquirir um segundo veículo seria custoso: segunda vaga para estacionar, seguro, combustível, impostos (40% na compra e IPVA todo ano!). Para alguém na minha situação geográfica e financeira isso é inviável;
  3. Seria IRRESPONSÁVEL com as pessoas à minha volta e todos os outros habitantes dessa cidade;
  4. Ah, eu sou um cara de computadores e “naturalmente” sedentário, preciso de um exercício e sempre gostei de andar de Bike, graças ao meu pai que me deu a minha primeira (e única por enquanto) quando eu fiz 7 anos. Valeu pai!

Antes que você comente: Não, eu não sou petista.

Muito pelo contrário, cada vez acredito menos na política. Tem gente no meu círculo de amizades dos dois lados (PSDB e PT) e gente que, como eu, não aceita ser unilateral. Unilateralidade não acrescenta nada quando o tema é política, religião ou futebol. Se você é um unilateral (e não é filiado a um partido), essa é a hora de parar de ler esse post, tenha um bom dia. (olha como eu sou legal, não te fiz perder mais tempo!)

Bom, então onde eu me encaixo? Me considero um “cicloativista-não-praticante”.

 

 

 

Ah, você pode ser “católico-não-praticante” e eu não posso ser cicloativista-não-praticante? Bacana sua lógica, hein.

“Cicloativismo é uma forma de fazer política para andar de bike. Não uma forma de andar de bike para fazer política”

Eu, agorinha

Tem gente que confunde essas duas coisas. Você votou no Kassab? Eu votei. Me arrependi? Amargamente.

Algumas coisas não vão bem pro Haddad, tipo isso. Não, ele é o prefeito-perfeito. MAS, me diga uma promessa do Kassab que foi cumprida e que realmente melhorou a vida das pessoas? Pode começar pela sua vida, não tem problema. Obrigado, de nada.

Bem, mas e essas faixas que saem com uma lavadora de altas pressão mestre?

Diferenças entre projetos

Se você esteve fora de São Paulo nos últimos anos (por que voltou? Não tem água aqui, fera), não deve saber que temos uma grande malha cicloviária de 200km na cidade. Mas não, a malha cicloviária não é composta apenas por ciclovias, tem também as ciclofaixas.

Que são ciclofaixas?

Chão pintado ou recapeado. Ou seja, ainda dentro das ciclofaixas temos diferenças entre coisas ruins (pintada) e bom (recapeado). Por que o recapeado é melhor? Pois o pintado tem textura próxima às que faixas de pedestre tem. Se você nunca esteve em um veículo sobre rodas em uma dessas saiba: é liso feito sabão quando chove. Caso pretenda pedalar na chuva, recomendo esse artigo. As ciclovias que tem recapeamento de concreto são melhores: duram mais, os buracos demoram a aparecer e a tinta não vai atrapalhar, nem deixar o calçamento mais escorregadio. É coisa linda de Deus. Claro que isso não é uma verdade absoluta.

Que são ciclovias?

Vias segregadas dos carros. Tem separação de alguma maneira: diferença de altura da via ou blocos de concreto separado ou uma calçada no meio do caminho. Algo grande que vai impedir que um carro invada facilmente.

Problemas que ainda existem

E eles precisam ser resolvidos, seja quem for o prefeito (esse ou o próximo, espero que esse ainda)

  1. Desconexões: nem tudo se conecta ainda, isso precisa melhorar. Conforme as obras avançam as coisas começam a fazer mais sentido e as ciclovias cada vez estarão mais cheias;
  2. Faixas mal-feitas: nossa senhora, tem muitas. Elas precisam ser corrigidas, não extintas. Falha de execução não implica em não-necessidade.
  3. Ladeiras: não há como escapar delas nessa cidade. Novamente, não implica em não-necessidade. A ciclofaixa da Otacílio Tomanik no bairro do Rio Pequeno é de longe a mais ingrime que eu vi – tem até oficina de bicicleta no caminho pra encher o pneu ou arrumar a corrente quebrada. As em volta da Sumaré e Pacaembu também são assustadoras. É verdade, tem uns malucos que sobem e descem esses pequenos K2 disponíveis na cidade, mas eles são uma minoria;
  4. Ciclistas “zueros”: você já viu ciclista sem capacete, na contra-mão, na calçada e por aí vai. Eles estão certos? Não. Isso muda o fato de que outros precisam de segurança para se locomover em vias seguras? Não. Uma coisa não exclui a outra. O “zuero” está errado, o motorista que atropela ele também está, pois – como diz o código de trânsito – é responsabilidade do veículo maior cuidar do veículo menor.
  5. Seria mais fácil seguir o código brasileiro de trânsito? Sim, seria. Você já acelerou acima da máxima permitida em uma via? Estacionou em local proibido? Parou em fila dupla? No código tudo isso é explicado claramente com um belo carimbo NÃO PODE FAZER, ZÉ!

Conclusões por ora:

  • O plano de ciclovias é eleitoreiro? CERTAMENTE, como tudo que é feito POR QUALQUER PARTIDO QUE EU CONHEÇO QUE ESTEVE NO GOVERNO DESSA CIDADE;
  • “Mas custa muito caro! 200mil o KM!”. Pergunto: quanto vale a SUA VIDA ou do SEU FILHO ou de alguém da SUA FAMÍLIA? A dos outros vale menos, suponho.
  • “Roma não foi construída em um dia” evidente que nem as ciclovias serão, mas a construção tem que começar de alguma maneira. E nem tudo sai como planejado, mas as pessoas vão se adaptar, somos capazes disso;
  • Finalmente: o fato das pessoas se preocuparem mais com o trecho de terra que estão perdendo para andar com seus SUVs em comparação com a falta de água é impressionante. Estou mais preocupado com a água, larguei o projeto da Bike por enquanto, assim que tivermos mais “segurança hídrica” volto a me preocupar com ela

Leia mais

Muito mais!

*Ciclococô é o apelido que os ciclistas deram à “super moderna e bem conservada ciclovia da marginal pinheiros” (que não tem iluminação, só funciona de dia)

E você? O que acha? Deixa um comentário aí.

Vale lembrar, comentários são moderados.

Das dificuldades desse “povo de TI” – Parte 1: prioridades que mudam

Nesse mundo de TI as prioridades mudam o tempo todo, muito comumente por um fato muito simples: na grande maioria das vezes nossa área é apoio à operação das empresas, e não o fim. Quando a operação tem que mudar, a TI tem que ir junto. Muita gente já falou sobre isso: que acontece o tempo todo, que os profissionais não gostam, bla bla bla, yada yada yada, tereréu tereréu tereréu.

Portanto, não faz sentido falar novamente a respeito disso, afinal a vida é feita essencialmente de três coisas:

  1. Problemas
  2. Soluções
  3. Fatos

Tudo que é problema, tem solução e tudo que não tem solução é fato. Simples assim. Mudar é difícil, especialmente prioridades, mas não é impossível – isso é fato.

Sendo as prioridades mudando uma constante, precisamos de formas de minimizar seus efeitos em nossas mentes. Algumas possíveis soluções:

Solução nº 1: entenda a razão da mudança

Se um projeto de repente é mais importante que o outro, certamente existe uma razão para isso. Mesmo que ela seja muito desconcertante (exemplo: por que eu quis), vai ser melhor resolver o novo projeto sabendo de sua importância superior do que resolver sem saber e ficar remoendo aquela mudança inesperada que, provavelmente, se deu devido à falta de planejamento de outrem. Mais do que isso: vai te fazer ter mais carinho e cuidado com o que está fazendo.

Ah, sabendo da razão você pode aprender com isso e tentar evitar uma nova ocorrencia desse tipo de urgência.

Solução nº 2: prepare-se melhor

Essa é mais difícil. Preparar-se melhor geralmente significa fazer menos tempo as coisas que você mais gosta. Se você gosta de programar, certamente não é muito fã de escrever documentos longos que não geram efeito nenhum na vida de alguém.

Fazer essa mudança é difícil, especialmente se você já está há muito tempo fazendo algo, digamos, artesanal e que adora.

Solução nº 3: trabalhe em um lugar que você goste das pessoas, clientes, trabalho, lucros, independente das prioridades

Se tudo isso for verdade, dificilmente as mudanças de prioridades vão te fazer tão mal assim.

Respostas automáticas e redirecionamento de e-mail no outlook 2013/OWA 2013

Vai sair de férias? Não esqueça de inserir uma mensagem automática informando de sua ausência.

Como faz?

No desktop

Acesse as opções, clique em respostas automáticas, configure a mensagem e o período.

Na web

Clique sobre a engrenagem, ao lado da sua foto, no canto superior direito da tela

Agora em “Definir respostas automáticas”.

Configurações

Em ambos os casos deve-se marcar para enviar respostas, definir um período em que elas vão ser enviadas e duas mensagens diferentes (uma para pessoas de dentro da organização e outra para contatos externos).

Opcionalmente você pode enviar apenas para os seus contatos. Isso é particularmente útil para aquele SPAMMER não saber que seu endereço existe de fato.

Exemplos de mensagens automáticas

Dentro da organização

Olá,

Obrigado por sua mensagem.

No período de xx/xx a xx/xx estarei de fora do escritório com pouco acesso a meus e-mails.

Em caso de urgência me ligue no XX XXX-XXX-XXX

Atenciosamente,

Fulano

Fora da organização

Olá,

Obrigado por sua mensagem.

No período de xx/xx a xx/xx estarei fora do escritório com pouco acesso a meus e-mails.

Em caso de urgência por favor entre em contato pelo telefone XX XXXX-XXX com a equipe de TAL.

Atenciosamente,

Clique aqui!

Por que tudo na internet tem um clique aqui?

Já parou pra pensar que esse “call to action” é muito intromissor?

Eu acho um saco escrever clique aqui em sites e peças – dá a impressão que o usuário é idiota aos olhos do construtor da peça. Por vezes não entendemos a importância de um clique aqui em um texto. Afinal de contas, você só quer clicar, não é mesmo?

E é o que o usuário vai te perguntar (cadê o meu clique aqui?) quando não encontrar. Seus olhos passeiam pelo texto buscando o clique aqui.

Uma experiência bacana que vi há alguns anos é um site feito inteiramente sem o uso de cliques (é em flash, portanto só no desktop).

É fascinante ver o quanto somos condicionados aos clique aquis mundo afora e o quanto é automático clicar aqui.

Agendamentos recursivos no outlook – inclusive de reuniões com outras pessoas

Mais um da série sobre Outlook! Dessa vez vamos falar sobre reuniões e atividades recursivas.

Recorrência, o que é

A rigor, algo que acontece mais de uma vez em períodos específicos. Exemplo: seu aniversário é um evento recorrente com intervalo de um ano.

Por que isso é importante no outlook?

Por vezes você pode se deparar com situações em que facilitaria muito ter alguém te lembrando de fazer algo.

Um calendário de aniversário, de revisões do carro, de reuniões para acompanhamento de um projeto, de followup de uma questão qualquer.

Fazer esse mapeamento no outlook manualmente seria altamente cansativo. Se você já tentou, já sabe que é um saco.

Recorrência é algo realmente simples no outlook: abra um novo evento, clique em recorrência, defina os valores, BUM, tá pronto.

Defina os parâmetros para criar um evento recorrente
Defina os parâmetros para criar um evento recorrente

Bloco de cima – hora do compromisso

  • Início: marca o inicio de cada ocorrência
  • Fim: final de cada ocorrência
  • Duração: um menos o outro. Alterando o final esse box muda e alterando esse box o final muda

Bloco do meio – Padrão da recorrência

  • Diário, semanal, mensal, anual: intervalo a aplicar (melhor colocar anual a cada dois anos do que a cada 730 dias)
  • Bloco central “a cada”: varia de acordo com o período especificado. Troque as opções da lateral para definir esses valores

Bloco final – intervalo de ocorrência: até quando você precisa desse evento?

Interessante. E se eu precisar convidar participantes (fazer uma solicitação de reunião) recursiva, dá?

Sim, exatamente da mesma forma que você viu no trecho anterior, no mesmo menu recorrência.

A melhor parte? Usando alguma conta que sincronize esses eventos com seu calendário (exemplo: exchange) você não precisará fazer mais nada para que ele apareça em outros devices conectados na mesma conta, como seu smartphone, tablet, o que quer que seja.